Mensagem do Presidente da ACB no 157º Aniversário ACB

Assinalamos hoje o aniversário dos 157 anos da Associação Comercial de Braga cuja fundação remonta ao ano de 1863.

Caros convidados e caros colegas empresários, nunca como hoje foi tão evidente a importância das instituições empresariais na definição das políticas sociais e económicas lançadas pelos governos e autarquias locais. A importância do papel dos parceiros sociais (ou seja, das associações e sindicatos) nunca foi tão relevante como sucedeu durante o contexto de pandemia que vivemos.

Fomos e seremos parceiros ativos na defesa dos interesses da economia, das empresas e dos rendimentos de pessoas e famílias. Os efeitos sociais e económicos da pandemia estão a ter um impacto histórico na nossa sociedade de que não há memória, e a incerteza da solução sanitária vem colocar enormes desafios às empresas na definição e conceção da sua estratégia empresarial futura por fatores até agora desconhecidos e difíceis de equacionar.

Mas, caros colegas, se a história serve para alguma coisa, os 157 anos da história da nossa instituição servir-nos-ão de estímulo e alento para enfrentarmos as dificuldades do presente com coragem e resiliência, aproveitando os ensinamentos de outras crises mostrando, mais uma vez, a nossa responsabilidade social com a sociedade e com o país. A instituição foi chamada a responder a esta tragédia sanitária e esteve à altura do momento, obrigando a direção a trabalhos redobrados, mas sem regatear esforços.

No início da pandemia, a direção da ACB reunia diariamente, por videoconferência, para responder às solicitações de elaboração de propostas de medidas urgentes de resposta à crise oriundas da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, do Governo, da Autarquia, de partidos políticos, deputados europeus e dos empresários. Não encerrou dia nenhum para acudir às múltiplas solicitações dos empresários na orientação das medidas que iam sendo lançadas pelo governo e pela autarquia. Ao mesmo tempo, em estreita cooperação com a autarquia, a Instituição, esteve e continua a estar muito ativa ajudando a delinear medidas muito importantes e urgentes para as empresas.

Relançar a economia é, agora, a nossa tarefa e o país pode contar com a Associação Comercial de Braga, com as empresas e com todos os empresários, como sempre aconteceu na história económica do país. Mas, para que tal seja possível, é preciso não dar tréguas no combate à epidemia e restabelecer a confiança dos consumidores.

Temos consciência das dificuldades e da complexidade em que estamos a laborar e o momento que enfrentamos, mas acreditamos que vamos vencer. Para a recuperação esperamos do governo medidas concretas que vão de encontro às necessidades sociais da população em geral e das empresas em particular, porque salvar empresas é salvar pessoas.

As medidas lançadas até hoje foram fundamentais e oportunas, mas insuficientes.

Têm, obrigatoriamente, que ser reforçadas e adequadas às reais necessidades das empresas e dos diversos setores de atividade. A ajuda às empresas com injeção de capital a fundo perdido é inevitável. As moratórias foram uma boa medida, mas a curto prazo serão uma dificuldade asfixiante para as empresas que, na sua maioria, não reúnem condições para satisfazer as exigências da obtenção de crédito. O layoff requer ajustamentos no tempo e na forma. As empresas sem mercado não suportam os encargos de pessoal desnecessário, por isso, a integração terá de ser parcial e proporcional de acordo com o crescimento do volume de faturação. Os seguros de créditos também requerem uma solução rápida e eficaz.

Reconhecemos que as dificuldades são diferentes quando falamos de micro e pequenas empresas dos setores dos serviços, alojamento, comércio e restauração, já que a sua maioria estão ancoradas no turismo e este vai demorar a restabelecer.

Por isso, devem ser contempladas com medidas ajustadas à sua realidade.

Aos colegas do universo empresarial de Braga e dos concelhos de Amares, Póvoa de Lanhoso, Terras de Bouro, Vieira do Minho, Vila Verde, de quem temos a representação institucional, queria desejar-lhes, neste dia de aniversário desta secular instituição, os maiores sucessos pessoais e empresariais e que podem contar sempre com a nossa amizade e solidariedade associativa.

Continuamos a reforçar os serviços de apoio às empresas em todas as vertentes da economia, com programas ajustados às necessidades de cada empresa.

Na vertente da formação profissional continuamos com as qualificações de ativos e na requalificação de empresas e empresários com forte impacto no desenvolvimento empresarial da região.

Mas para aumentar o seu apoio às empresas, as instituições empresariais necessitam de reforçar o seu papel de intervenção na definição das políticas publicas orientadas para as empresas. Porém, tal desiderato não será possível sem o reforço do movimento associativo empresarial.

Por isso, quero deixar aqui um desafio à mobilização associativa de todas as empresas à volta desta Instituição. Façamos dela o nosso fórum e ponto de encontro de todo o universo empresarial da região, reforçando o seu poder de representação.

Braga e sua região tem um universo empresarial com uma contribuição para o PIB nacional e volume de exportações e emprego muito forte no contexto nacional. Esta importância tem de ser valorizada e assumida pelas mais altas instâncias do país, mas tal só é possível com o poder associativo empresarial mais valorizado e unido.

Como responsáveis temos de honrar a história e o legado patrimonial que nos deixaram os grandes empresários de Braga ao longo dos 157 anos de existência ininterrupta da ACB, que se constitui como um espaço de pertença de todos, onde pequenas, médias e grandes empresas devem estar integradas, reforçando-se por esta via a nossa cultura de classe e a nossa representatividade.

O futuro sempre foi um desafio e o da ACB será o que os empresários quiserem que seja para melhor servir o desenvolvimento e a sustentabilidade das empresas e da economia da região.

Os seus associados da ACB podem-se orgulhar da sua associação; tem uma identidade e um passado que se confunde com a própria história da cidade. Goza de grande prestígio e credibilidade regional e nacional que muito orgulha os seus associados e o tecido empresarial de Braga, a cidade e região. Com efeito, é um ativo muito importante ao serviço das empresas, da economia e do país. Também por isso, acredito e tenho a certeza que a nossa valorização institucional resultará em valor acrescido para as nossas empresas e daí o meu apelo á maior consciência associativa empresarial.

A terminar, resta-me desejar a todos os colegas empresários, seus colaboradores e suas famílias, as maiores felicidades neste tempo de Pandemia e um bom desempenho empresarial para benefício de todos e do país.

Pode ver ou rever o webinar “Os Desafios do Associativismo e da Cooperação Empresarial” aqui.